TRANSTORNO DE CONDUTA

A agressividade só é considerada disfuncional quando a criança não consegue controlar ou não está adequado a situação em si.

 

Em algumas situações o comportamento agressivo pode ser visto como uma defesa- sobrevivência, logo, ele cabe dentro do contexto.

 

A agressividade disfuncional se trata de uma conduta que produz impacto negativo, seja para o agressor ou socialmente, prejudica a qualidade da interação e adaptação ao ambiente.

 

O que considerar? A “intenção” que causar dano ao alvo.

 

Esse comportamento pode ser considerado Proativo ou Reativo.

 

O proativo é uma agressão deliberada, visa atingir um alvo específico, são comportamentos frios, calculados, etc. Quando a criança percebe que eficácia desse comportamento, ele tende a se repetir, isso reproduz o comportamento na vida adulta. No meio corporativo observamos colaboradores com ausência de preocupação com o colega e estão mais preocupados com o “status social” do que com relações.

 

Já o reativo é a resposta impulsiva diante de uma provocação. Está ligado as reações fisiológicas e frustração. São oriundos de experiências sociais de âmbito negativo, buscam o viés de confirmação da rejeição e acabam se vitimizando.

 

No meio corporativo o colaborador se sente “perseguido” pelo líder, pelos colegas e suas relações fica condicionadas ao ambiente, que na maioria dos casos para ele é hostil. A vitimização acompanha o profissional no seu dia a dia.

 

Na infância os sinais estão presentes, como a criança lida com a emoção que se apresenta, na vida adulta, com mais recursos, ela consegue manejar mais as situações a seu favor, mas “a criança” em momentos de alto estresse tende a aparecer nas respostas ao ambiente.

 

No caso de Eric Smith, diagnosticado  com Transtorno Explosivo Intermitente apresentava dificuldades de lidar com a raiva e o desejo de direcionar essa emoção intensa.

 

https://www.instagram.com/p/CpNzXC7DDQf/

Transtorno Explosivo Intermitente

Você sabe a importância de identificar sinais de um transtorno ao interagir com o outro?

Pequenos sinais fazem toda a diferença em uma análise.

O Transtorno Explosivo Intermitente são explosões comportamentais recorrentes representando uma falha em controlar impulsos agresssivos, pode ser através de;

Agressão verbal, física dirigida a propriedade, animais ou outros indivíduos.

Quando a intensidade da agressividade é desproporcional a situação e não premeditadas.

As explosões de agressividade impulsivas têm início rápido e, em geral, as duram menos de 30 minutos desencadeadas por uma provocação mínima.

O início de comportamentos agressivos impulsivos é mais comum na fase final da infância ou na adolescência.

Mesmo se tratando de algo impulsivo o corpo e a face revelam os sinais.

Ocasiona problemas sociais como perda de amigos ou parentes, instabilidade conjugal, na área profissional
rebaixamento de função, perda de emprego, na parte financeira também apresenta prejuízos.

E você? Pronto para mudar seu olhar?
Confira nossa programação.

https://www.youtube.com/watch?v=DFXCuyEKnlY&t=12s

https://www.instagram.com/p/Cj3LZUtDDxk/

Amígdala cerebral- Sistema de alerta do organismo

Quando nos deparamos com o tamanho da amígdala, em um primeiro momento não percebemos o poder de influência que ela tem nos processos neuroemocionais. Através de suas conexões e redes neurais.

Muitas informações vêm do tálamo, estrutura do sistema límbico e sensoriais. Ela recebe estímulos auditivos, visuais, olfativos e gustativos que emitem a informação sobre o ambiente em que a pessoa está inserida.

Ao receber essas informações ela funciona como um SISTEMA DE ALERTA do organismo, que vai desencadeando reações como por exemplo a raiva e agressividade para situações de luta, ou reações de imobilidade, congelamento e esquiva.

Ela está ligada de forma primordial a emoção do medo, mas pode ser “ativada” em outras emoções, geralmente de contexto negativo.

Ela também age como um mediador da emoção e funções cognitivas quando é necessária uma tomada de decisão, aprendizado, etc.

No campo sexual, se há lesões na porção lateral podem desencadear comportamento hipersexual. Essas lesões também podem ocasionar perda ou diminuição de resposta frente a emoção do medo.

Ela processa informações muito rápido, e segundo estudos de psicologia atualmente apontam que a amígdala é ativada por estímulos ambientais afetivos, ligados geralmente a emoções de medo, raiva ou alegria e situações de perigo, mesmo quando esses estímulos são inconscientes, logo, muitos processos emocionais não conscientes e significante ocorrem e produzem reações físicas e psicológicas.

https://www.instagram.com/instituto_micro_expressao/

 

Transtorno da personalidade Narcisista

Segundo o DSM-5, os Transtornos de Personalidade podem ser agrupados em três grandes subgrupos:

a) padrão: esquisitos e/ou desconfiados;
b) padrão: instáveis e/ou manipuladores e/ou centro das atenções; e
c) padrão: ansiosos e/ou controlados-controladores.

No Transtorno de Personalidade narcisista que pertence ao grupo B, podemos observar um padrão de comportamento no qual predominam a necessidade de admiração, grandiosidade e a falta de empatia.

Segundo o DSM5 deve ter pelo menos cinco dos aspectos abaixo:

  1. O indivíduo apresenta senso grandioso da própria importância. Julga ter talentos especiais e espera ser reconhecido como superior sem que tenha feito algo concreto para isso.
  2. É muito voltado para fantasias de grande sucesso pessoal, de poder ou de um amor ideal.
  3. Acha-se excepcionalmente “especial” e “único”.
  4. Busca admiração excessiva
  5. Apresenta expectativas irracionais de tratamento especial, sentimentos de ter “direitos”.
  6. Tende a ser “explorador” nas relações interpessoais, buscando vantagens sobre os outros para atingir seu fim ou sucesso pessoal.
  7. Sem empatia, reluta em reconhecer os sentimentos e as necessidades das pessoas.
  8. Frequentemente invejoso dos outros ou do sucesso alheio; acha sempre que os outros têm inveja dele.
  9. É frequentemente arrogante nos seus comportamentos e atitudes.

 

** Obs.: Não está na CID-11 como Transtorno de Personalidade**

 

Vale a pena conferir o relato de uma vítima do relacionamento com um narcisista

https://www.youtube.com/watch?v=-0cyYW2wy_o&t=22s

Transtorno de Personalidade Borderline- TPB

O Transtorno de Personalidade Borderline (TPB) implica um forte impacto sobre a vida pessoal e social dos indivíduos acometidos, assim como na de seus familiares e pessoas próximas.

Há uma importante instabilidade nas relações pessoais, na autoimagem, na vida afetiva e emocional, na identidade pessoal e social, assim como um padrão de impulsividade em diferentes contextos da vida, geralmente com consequências significativas.

Segundo Lam Mak (2013), na área cognitiva apresentam distorções como tendência a tomar decisões de risco, processamento de resposta falho, tendência a chegar a conclusões inadequadas e impulsivamente e estilo cognitivo paranoide. Há alterações na cognição social, como inferências errôneas em situações sociais, déficit de empatia social, reconhecimento facial pobre e reconhecimento de emoções faciais prejudicado.

Cerca de 30% das pessoas com TPB apresentam alucinações, principalmente auditivas. Ocorrem também alucinações visuais em cerca de 10% das pessoas com o transtorno.

Segundo o DSM-5 são necessárias pelo menos cinco das seguintes características para o diagnóstico de TPB;

  1. Esforços excessivos e desesperados para evitar abandono.
  2. Relacionamentos pessoais intensos; mas muito instáveis, oscilando em períodos de idealização de uma grande “paixão” ou “amizade-adoração” para outros de desvalorização, “ódio” e “rancor” profundos.
  3. Perturbação da identidade: dificuldades graves e instabilidade com relação à autoimagem, aos objetivos e às preferências pessoais.
  4. Impulsividade em pelo menos duas áreas autodestrutivas (p. ex., gastos exagerados, sexo com desconhecidos, uso de substâncias, compulsão alimentar, dirigir de forma perigosa/irresponsável).
  5. Atos repetitivos de autolesão; comportamentos, gestos e atos suicidas repetitivos ou comportamentos de automutilação.
  6. Instabilidade emocional intensa; irritabilidade ou ansiedade intensas, de poucas horas, raramente de dias, disforias episódicas.
  7. Sentimentos crônicos de vazio; sentimentos depressivos.
  8. Raiva intensa e inapropriada e/ou muita dificuldade em controlá-la

**Podem ocorrer ideias de perseguição, de que se está sendo traído, perseguido, ameaçado, e/ou sintomas ou episódios dissociativos intensos, decorrentes de estresses, de situações pessoais difíceis **.

 

https://ibmef.com.br/cursos/

https://www.instagram.com/instituto_micro_expressao/

Interpretação de desenho

Interpretação de desenho

Para crianças que ainda não possuem seu verbal totalmente desenvolvido, foi desenvolvido o desenho livre como um instrumento de avaliação e como forma de expandir a personalidade da criança porque revelam um extremo valor simbólico.

 

O desenho é considerado uma das formas mais antigas de comunicação. Esses desenhos foram escolhidos porque casa, árvore e pessoa são familiares e conhecidos para as crianças, então, é executável para crianças e adultos.

Antes do aprendizado da escrita, as crianças aprendem a desenhar, é sua forma de expressão geralmente de representação e não de reprodução de realidade.

 

Solicitar a uma criança que ela desenhe estabelece esse rapport mais rápido, uma atividade prazerosa e simples. Esse teste é uma fonte rica de informações do conteúdo interno, mesmo que o indivíduo enfrente uma barreira na comunicação verbal, timidez, deficiência, o desenho é um veículo de expressão.

 

O desenho não é a realidade fiel, mas a realidade a partir do olhar daquele indivíduo, uma interpretação de como ele vivencia e percebe, ele expressa de forma simbólica em níveis primitivos.

 

A folha representa o meio ambiente e o desenho é a representação do indivíduo, então, pode ser interpretado como ele está inserido, como lida, como se sente nesse ambiente, representa seus conteúdos conflitivos, fraquezas, etc.

 

Faça a sua inscrição!

https://ibmef.com.br/agendas/

 

Cutting

Nossa vida em sociedade está ligada a encontros. Trocamos emoções, opiniões, críticas o tempo todo com as pessoas que nos cercam, mas quando estamos diante de pessoas que praticam o cutting geralmente nos deparamos com indivíduo que fogem desses encontros.

 

A automutilação é a forma encontrada para “gritar”, “comunicar”, “aliviar dor e sofrimento” de forma silenciosa e “escondida”. Apesar desse ato representar um momento de escassez de palavras e ausência de escuta, o cutting representa que há algo em excesso ali, desencadeando esse comportamento.

 

A pessoa se corta para reduzir e aliviar o sofrimento e dor psíquica, ao se cortar é liberado endorfina pelo corpo para o alívio provocado pelo corte e, a pessoa sente alívio em sua dor emocional, assim, associa o cutting a um alívio do seu sofrimento.

 

Torna-se um ciclo vicioso que pode perdurar por anos. O atendimento deve ser multiprofissional para atender o indivíduo em todas as suas demandas.

 

Segundo Menininger (1934) a automutilação pode decorrer de sentimento de culpa, autoerotismo (prazer obtido através da dor) ou a necessidade de expiação, uma forma de compensar comportamento e pensamentos de conteúdos agressivos e sexuais.

 

Em uma visão da psicanálise a automutilação está ligada a castração.

 

Como é o perfil da pessoa que pratica o cutting? Em sua maioria são indivíduos superficiais socialmente, mantém distanciamento, são retraídos, introspectivos e não concedem acesso a sua intimidade. São instáveis e deprimidos, mas pode demonstrar alegria e descontração como uma máscara social, mas sem promover grande intimidade nessas relações. São resistentes ao contato físico, principalmente ao toque e dificilmente pedem ajuda.

 

Dentre os comportamentos de automutilação, o mais frequente é o corte, um ato silencioso!

 

Geralmente esses cortes são feitos de forma a não ficar visível, mas a face pode ser detectada, diante de uma tristeza ou raiva intensa.

 

Aprenda a desvendar o comportamento humano.

 

https://ibmef.com.br/cursos/

FOBIA- o medo intenso e constante

O medo faz parte da natureza humana, quando intenso e constante torna-se uma fobia. Se não tratado pode desencadear um comprometimento do indivíduo em seu meio social.

 

Há fobias que são decorrentes de traumas, após vivenciar um evento negativo fica registrado uma memória afetiva a respeito.

 

Seja qual for sua origem ela afeta o fisiológico e emocional, gera grande sofrimento e não deve ser negligenciada, principalmente na infância – ela pode acompanhar na vida adulta e causar grandes estragos emocionais.

A emoção base de qualquer fobia é o medo, por isso a importância de identificar as emoções, ao perceber o medo diante de algo específico que não apresenta um perigo real podemos intervir a tempo para que não se torne patológico.

 

Algumas fobias:

  • Eisoptrofia:  medo de ver sua imagem no espelho.
  • Ornitofobia: medo de pássaros.
  • Sitofobia: medo de se alimentar.
  • Hiponofobia: medo do sono.
  • Fonofobia: medo de sons.
  • Ablutofobia: medo de se limpar.
  • Caetofobia: medo de mexer em cabelo.
  • Heleofobia: medo do sol / claridade.
  • Gamofobia: medo de casar / assistis casamentos.
  • Ciberfobia: medo de tecnologia.
  • Ergofobia: medo de sair de casa para trabalhar.
  • Astrafobia: medo de trovões e relâmpagos.
  • Claustrofobia: medo de lugares apertados.
  • Brontofobia: medo de tempestades.
  • Autofobia: medo de ficar sozinho.
  • Demofobia: medo de multidões.
  • Aracnofobia: medo de aranhas.
  • Criofobia: medo de gelo ou frio.
  • Hemofobia: medo de sangue.
  • Nefofobia: medo de nevoeiro.
  • Pluviofobia: medo de chuva.
  • Ofidiofobia: medo de cobras.
  • Zoofobia: medo de animais.
  • Acrofobia: medo de altura.
  • Hidrofobia: medo da água.
  • Nictofobia: medo da noite.
  • Aerofobia: medo de voar.
  • Amaxofobia: medo de dirigir.
  • Tripofobia: medo de padrões geométricos.
  • Odontofobia : medo de ir ao dentista.
  • Bacteriofobia: medo de bactérias.
  • Basofobia ou basifobia: medo de andar ou cair.
  • Grafofobia: medo de escrever ou de escrever a mão.
  • Panofobia: medo de tudo.
  • Quiraptofobia: medo de ser tocado.

Confira nossa programação!

https://ibmef.com.br/agendas/

 

A COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL NAS INTERAÇÕES

Quando estamos interagindo com o outro enviamos muitas informações não verbais, recebemos do ambiente que estamos inseridos o mesmo. No primeiro contato com o outro temos muitos elementos para observar, que nos traz muito do outro.

 

Podemos observar olhares, tom de voz, micro expressões, gestos, posturas, prôxemica, etc. em um primeiro contato, que chamamos de primeira impressão, que no decorrer da interação vai se lapidando, amadurecendo a nossa visão a respeito do outro.

 

Como a pessoa se comporta, como se apresenta pode refletir muito sobre seu estado interno.

 

A comunicação não verbal nos dá dados mais reais e efetivos em uma análise do que o conteúdo verbal. A comunicação nas duas esferas, verbal ou não verbal podem ocorrer de forma alinhada ou não, aí está o foco da análise.

 

Utilizamos no processo de comunicação expressões faciais, paralinguagem, gestos, posturas e até mesmo como ocupamos o espaço é uma forma de comunicação. Podemos indicar ao outro como estamos vivenciando aquele momento sem dizer uma só palavra, porque dentro do silêncio pode ocorrer uma grande comunicação.

 

A comunicação não verbal é uma comunicação “pura” e independe do verbal ou de habilidades cognitivas. São informações valiosas, um motor potente em nossas relações.

 

Segundo Knapp; Hall (1999), a comunicação verbal ocupa aproximadamente 35% da comunicação em uma interação, logo, sua comunicação verbal e não verbal se não estiverem fluindo de forma conjugada enfraquece a sua mensagem.

 

Os movimentos expressivos do rosto e do corpo, qualquer que seja sua origem,

são por si mesmos muito importantes para o nosso bem-estar. Eles são o

primeiro meio de comunicação entre a mãe e seu bebê: sorrindo, ela encoraja

seu filho quando está no bom caminho; se não, ela franze o semblante em sinal

de desaprovação. Nós facilmente percebemos simpatia nos outros por sua

expressão; nossos sofrimentos são assim mitigados, e os prazeres, aumentados,

o que reforça um sentimento mútuo positivo. Os movimentos expressivos

conferem vivacidade e energia às nossas palavras. Eles revelam os pensamentos

e as intenções alheias melhor do que as palavras, que podem ser falsas.

Charles Darwin

 

Faça sua inscrição, seu olhar nunca mais será o mesmo!

https://ibmef.com.br/cursos/

https://www.instagram.com/instituto_micro_expressao/

 

A MENTIRA E O COMPORTAMENTO HUMANO

Existem diversas técnicas e procedimentos para a detecção de mentiras, pela linguagem corporal e micro expressões. Por mais diferentes que pareçam, no entanto, compartilham características comuns: são métodos ou técnicas que se valem da observação de indicadores indiretos em relação à mentira.

 

Os indicadores observados normalmente, tem relação direta com parâmetros dos Sistema Nervoso. A grande dificuldade em identificar a mentira na  correta interpretação dos indicadores corporais e faciais, tomando em consideração um determinado contexto de interlocução e a chamada Linha de Base.

 

Não é possível afirmar que alguém está mentindo, com segurança e responsabilidade, a partir de um único indicador como “COÇAR O NARIZ”, “CRUZAR OS BRAÇOS E PERNAS, por exemplo. Diversas alterações ocorrem em nosso SISTEMA NERVOSO, quando mentimos!

 

Parte do trabalho de detecção de mentiras consiste em observar, avaliar e até mesmo medir essas alterações.

 

Quando mentimos, ficamos nervosos, com medo de ser descobertos e com muita raiva por está agindo dessa maneira. Todas as emoções ativam o SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO, produzindo um aumento dos nossos gestos habituais e, também de outros movimentos do corpo e face.

 

O que vemos portanto, não é a mentira, mas sim um resultado fisiológico transparecendo no corpo e face pelo SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO.

 

OBSERVA-SE também uma tentativa do mentiroso controlar seu nervosismo, ou a expressão facial, que está incompatível com a emoção transmitida e o que ele reproduz verbalmente. Isso é muito comum quando o mentiroso está sendo questionado!

 

Neste caso, percebe-se uma diminuição nos movimentos e gestos, que ocorre numa tentativa do mentiroso tentar esconder sinais que revelam sua agitação importuna naquele momento. É por esse motivo que se torna tão importante observar, o que chamamos de “LINHA DE BASE”, que consiste em um padrão único de movimentos e gestos habituais apresentado por aquela pessoa ou alguém na hora de seu questionamento.

 

Mas cuidado, quando a observamos a agitação de uma pessoa ou redução de seus movimentos e gestos, não significa que esteja necessariamente mentindo, mas que aquele assunto está mexendo muito com ele e, o próprio se mobilizou.

 

Quer aprender mais?

https://ibmef.com.br/cursos/

https://www.instagram.com/instituto_micro_expressao/